Farkas

NextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnail
Nos caminhos da Caravana Farkas: o Cariri revisitado
Nos caminhos da Caravana Farkas: o Cariri revisitado
Nos caminhos da Caravana Farkas: o Cariri revisitado
Nos caminhos da Caravana Farkas: o Cariri revisitado
Nos caminhos da Caravana Farkas: o Cariri revisitado
Nos caminhos da Caravana Farkas: o Cariri revisitado
Nos caminhos da Caravana Farkas: o Cariri revisitado
Nos caminhos da Caravana Farkas: o Cariri revisitado
Nos caminhos da Caravana Farkas: o Cariri revisitado
Nos caminhos da Caravana Farkas: o Cariri revisitado
Nos caminhos da Caravana Farkas: o Cariri revisitado
Nos caminhos da Caravana Farkas: o Cariri revisitado
Nos Caminhos da Caravana Farkas: o Cariri Revisitado
Esse trabalho constitui uma revisita aos locais filmados por Tomaz Farkas, produtor da série de videodocumentários intitulada “A Condição Brasileira”, mais conhecida como a “Caravana Farkas”. O trabalho, realizado no período de 1965 a 1978, gerou 51 filmes e contou com cineastas renomados a exemplo de Paulo Gil Soares, Eduardo Escorel e Geraldo Sarno. Na época, em meio aos ditames do governo militar e seu afã de projetar para a sociedade um “Brasil pra frente”, Tomaz Farkas decidiu correr o país em busca de realidades até então não apresentadas pelos meios de comunicação. Encontrou no Cariri fartas imagens: verdes canaviais, calorosos engenhos, esturricantes roças de mandioca, festivas farinhadas, inspirados cantadores, brilhantes cordelistas, esmerados artesãos, bravos vaqueiros e persistentes romeiros. Tudo isso em um contexto de subserviência política, dependência financeira e incipiente transformação da base econômica da região, puxada pelo crescimento de Juazeiro do Norte.

Comments are closed.