Sereias

NextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnailNextGen ScrollGallery thumbnail
SEREIAS
SEREIAS
SEREIAS
SEREIAS
SEREIAS
SEREIAS
SEREIAS
SEREIAS
SEREIAS
SEREIAS
SEREIAS
SEREIAS
SEREIAS
SEREIAS
SEREIAS
SEREIAS
primeira_foto
Muitas comunidades foram e ainda são expulsas violentamente das terras em que moravam, para que fossem cedidos lugares ao turismo, sem o cuidado sustentável com o meio ambiente, sem a preocupação de construir conjuntamente e com responsabilidade. Nesta disputa de territórios as comunidades pesqueiras são as que mais sofrem no litoral do estado do Ceará. Em muitas praias os pescadores não podem mais atracar suas jangadas em frente às barracas, pousadas ou hotéis. Algumas comunidades lutam pela criação de reservas extrativistas como maneira de garantir a sua permanência e a preservação da área.

As mulheres vêm cada vez mais tornando-se personagens dessa história da pesca no Ceará e participando das políticas de transformação por uma pesca saudável. Mesmo com os trabalhos domésticos, as mulheres assumiram a pesca, com atividades de coleta de algas e mariscos, pesca em alto mar e se engajaram em associações e grupos que defendem os direitos dos pescadores, agora também pescadoras.

Esse projeto é um coletivo fotográfico em parceria com Sérgio Carvalho.

Comments are closed.